Uma crítica arendtiana ao programa nacional das escolas cívico-militares
PDF/A

Como Citar

Garrido, R. G. (2020). Uma crítica arendtiana ao programa nacional das escolas cívico-militares. Synesis (ISSN 1984-6754), 12(2), 88–98. Recuperado de http://seer.ucp.br/seer/index.php/synesis/article/view/2031

Resumo

A partir do aporte arendtiano à filosofia da educação, lado pouco explorado da filósofa política, desenvolveu-se uma crítica ao Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares (Pecim) estabelecido pelo governo Bolsonaro. A despeito do processo educacional dever estar baseado na autoridade e responsabilidade dos educadores, esse nunca pode de tornar autoritário. Assim, em um programa de matizes autoritárias, como o Pecim, não parece ser possível alcançar sucesso, pois para Arendt, o verdadeiro papel da educação deve ser o despertar nos alunos o respeito e a responsabilidade pelo mundo novo, que devem construir livremente.

PDF/A

Downloads

Não há dados estatísticos.