http://seer.ucp.br/seer/index.php/synesis/issue/feed Synesis (ISSN 1984-6754) 2021-05-15T09:03:12+00:00 Sergio Salles sergio.salles@ucp.br Open Journal Systems <!-- Global site tag (gtag.js) - Google Analytics --> <p><strong>Synesis (ISSN 1984-6754 ) é a revista semestral do Centro de Teologia e Humanidades da Universidade Católica de Petrópolis para divulgação das pesquisas e das produções acadêmicas e científicas nas áreas das humanidades, com foco especialmente em filosofia e em teologia.</strong></p> <p><strong>Na última avaliação do Qualis/CAPES, Synesis foi reconhecida como: B1 (Filosofia); B2 (Interdisciplinar); B3 (Educação, Administração Pública e de Empresas, Ciências Contábeis e Turismo, Comunicação e Informação); B4 (Geografia).</strong></p> <p><strong>Synesis está indexada em diversas bases de dados internacionais. Veja a lista completa após a edição atual da revista nesta página.</strong></p> http://seer.ucp.br/seer/index.php/synesis/article/view/2051 REFLEXÕES DEMONOLÓGICAS BIZANTINAS: (PS.)-PSELO. TIMÓTEO OU SOBRE A ATUAÇÃO DOS DEMÓNIOS (ΤΙΜΟΘΕΟΣ ἢ ΠΕΡὶ ΕΝΕΡΓΕΙΑΣ ΔΑΙΜΟΝΩΝ) 2021-05-15T08:42:21+00:00 Reina Marisol Troca Pereira rmtp@ubi.pt <p>Introdução/comentário, notas e tradução do diálogo bizantino <em>Sobre a Atuação dos Demónios </em>(Τιμόθεος ἢ Περὶ Ενέργειας Δαιμόνων). Opúsculo de autoria dúbia, atribuído a Pselo. De teor demonológico, contempla informações respeitantes a tipos, formas, características possessões/efeitos de demónios. De traço neoplatónico, em período judaico-cristão, a ortodoxia cristã de Pselo nesta obra insurge-se contra as principais heresias à época.</p> 2021-04-20T00:00:00+00:00 Copyright (c) http://seer.ucp.br/seer/index.php/synesis/article/view/2056 A DEFESA DA VERDADEIRA IGREJA NO DE CATHOLICAE ECCLESIAE UNITATE DE SÃO CIPRIANO 2021-05-15T08:42:21+00:00 Álisson Muryel Figueira Dimeira dos Reis alissonmuryelbvm@gmail.com Emilson José Bento pe.emilsonbento@gmail.com <p>Este artigo abordará a problemática sobre “a verdadeira Igreja de Cristo” defendida pela apologética de São Cipriano, no século III, na obra <em>De Catholicae Ecclesiae Unitate </em>(DCEU). Para este fim, compreender-se-á as problemáticas que a Igreja vinha enfrentando desde os séculos I e II, assim, entendendo o desenrolar histórico e a maneira dos Padres de defenderem apologeticamente a verdadeira Igreja; utilizaremos os <em>Documentos de la Iglesia Antigua,</em> <em>Los Santos Padres</em> para o entendimento geral da temática. Deste modo, compreendendo a maneira dos Santos Padres de defenderem a Fé da Igreja e seus membros, por meio da exortação do próprio Cristo, ordenando os apóstolos a guardar em seu nome aqueles aos quais o Pai lhes havia confiado afim de que sejam um como o Filho e o Pai são um. Como fruto de nossa reflexão, culminando na apologética de S. Cipriano, entenderemos que a Igreja, até os tempos hodiernos se mantem firme por meio de sua Unidade, que se desenvolve dentro da Caridade que é o próprio Deus.</p> <p> </p> <p><strong>Palavras-chave: </strong>Cipriano; Apologética; Verdadeira Igreja.</p> 2021-04-20T00:00:00+00:00 Copyright (c) http://seer.ucp.br/seer/index.php/synesis/article/view/2053 CONCEPÇÕES E PERSPECTIVAS DE ADOLESCENTES E FAMILIARES EM BUSCA DOS EXAMES SUPLETIVOS SOBRE ESCOLARIZAÇÃO 2021-05-15T08:42:21+00:00 Ariadne de Araújo Cruz profariadnec@gmail.com Lúcia Vaz de Campos Moreira lucia.moreira@ucp.br <p>O objetivo da presente investigação consiste em identificar as concepções e perspectivas de adolescentes que realizam os exames supletivos, e de seus respectivos familiares e/ou responsáveis, sobre a escolarização. O estudo caracteriza-se por ser descritivo e exploratório. A pesquisa foi realizada na Comissão Permanente de Avaliação – CPA de um colégio estadual localizado em Salvador/Bahia. Participaram do estudo 30 candidatos(as) adolescentes e seus(suas) respectivos(as) pais, mães ou responsáveis, que optaram pela CPA da referida escola para realizarem os Exames Supletivos. No total foram 60 participantes. Para a coleta de dados foram construídos dois roteiros semiestruturados de entrevistas: um para os adolescentes e outro para seus pais/responsáveis. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da UCSal. Os participantes foram acessados e entrevistados no contexto escolar em questão. Os dados foram analisados construindo categorias a partir das respostas obtidas e calculando-se as respectivas porcentagens. Os principais resultados foram: para os/as pais/mães e responsáveis de todas as camadas sociais, a principal perspectiva é a de que o(a) adolescente realizasse os exames supletivos para regularizar a sua vida escolar ou antecipar o ingresso dele(a) na universidade, assim como queriam que o(a) filho(a) concluísse o ensino médio com maior rapidez por estar em defasagem idade/série. Por sua vez, para alguns jovens, as perspectivas estavam voltadas para obter a certificação para poder inserir-se mais facilmente no mercado de trabalho. Para os adolescentes e seus pais/mães ou responsáveis, a escola é vista, principalmente, como um local de aprendizagem e de convívio social. Assim como consiste em um local para adquirir um estudo melhor e aprender. A educação é valorizada pelos participantes, mas há a necessidade de políticas públicas eficazes que garantam o processo de escolarização de qualidade para todos, numa sociedade que a cada dia exige mais capacitação de seus cidadãos.</p> 2021-04-20T00:00:00+00:00 Copyright (c) http://seer.ucp.br/seer/index.php/synesis/article/view/2046 A TEORIA FREUDIANA SOBRE A RELIGIÃO: UM PANORAMA INTRODUTÓRIO 2021-05-15T08:42:21+00:00 Fabiano Veliq veliqs@gmail.com Lemos Luiz Henrique Silveira luizhls@yahoo.com.br <p class="western"><span style="font-family: &quot;Times New Roman&quot;, serif;"><span style="font-size: small;">A proposta deste artigo é apresentar a perspectiva de Freud sobre a religião. Para este intuito utilizaremos quatro textos que nos nortearão: “Atos obsessivos e práticas religiosas” (1996), “Totem e tabu” (1999), “O futuro de uma ilusão” (1996a), e “O homem Moisés e a religião monoteísta” (1996b). Ao adotá-los não temos a pretensão de abranger uma crítica total sobre o tema da religião na obra de Freud – para isto deveríamos fazer um estudo minucioso de toda sua obra, o que não é nosso objetivo. Acreditamos que tal trabalho se mostra importante para dar um panorama sobre o pensamento de Freud sobre a religião. </span></span></p><br /> 2021-04-20T00:00:00+00:00 Copyright (c) http://seer.ucp.br/seer/index.php/synesis/article/view/2054 O SI MESMO: ENTRE PIERRE HADOT E MICHEL FOUCAULT 2021-05-15T08:42:21+00:00 Felipe Capestana da Silva felipecapestana98@gmail.com Cesar Augusto Veras semcesaraugusto@gmail.com Marcio Bogaz Trevizan trevizan.marciob@gmail.com O presente estudo tem como objetivo aprofundar os aspectos filosóficos da relação existente entre a obra de Pierre Hadot e de Michel Foucault, no que diz respeito aos conceitos de “Exercícios Espirituais” e “Cuidado de Si”. Pretendemos analisar como Pierre Hadot interpretou a apropriação que Michel de Foucault fez do seu texto “exercícios espirituais”, ao apresentar a noção acerca da definição de “Cuidado de si”. Elucidamos as principais divergências e convergências presentes entre as reflexões filosóficas desses dois autores, que são de grande relevância para a compreensão de fenômenos da atualidade. A metodologia adotada foi a pesquisa exploratória teórico-bibliográfica, a meio caminho entre um comentário e um ensaio. Nossos estudos apontam o tema do ‘si mesmo’ como o ponto central da pesquisa, sendo o “Cuidado de Si” o viés capaz de nos conduzir ao conhecimento e, desta maneira, nos levar ao direcionamento da existência por meio da racionalidade dos “Exercícios Espirituais”. Nossos dois autores, em suas discussões a respeito do “ter cuidados consigo mesmo”, evocam em partes o pensamento dos gregos, que são a fonte da definição deste princípio. Sendo assim, nos norteará o termo “<em>epimeleia heauton”, </em>isto é, incumbir-se diante do mundo da vida, na prática de minuciosas e permanentes críticas diante da própria conduta. Ou seja, por meio destes exercícios espirituais conseguir assim contemplar-se racionalmente em um caminho para “si mesmo” e através de “si mesmo”. Ademais, tudo isto implica num esforço constante sobre a vontade e o desejo, afim de arquitetar no dia-a-dia uma autêntica autonomia. Não temos a pretensão de esgotar todo o assunto, contudo, a relação a ser desenvolvida nos aproximará do domínio sobre nós mesmos e nos fará refletir sobre o estado do “ter-se nas próprias mãos”. 2021-04-20T00:00:00+00:00 Copyright (c) http://seer.ucp.br/seer/index.php/synesis/article/view/2066 INFÂNCIA E BIOPODER: O GOVERNO DAS CRIANÇAS NO NEOLIBERALISMO 2021-05-15T08:42:21+00:00 Helena Almeida e Silva Sampaio helenaalmeida@me.com <strong><span>Resumo: </span></strong><span>Partindo da urgência em compreender as relações entre infância e neoliberalismo em nosso tempo, este artigo busca nos estudos de Michel Foucault as bases para pensar como estes dois elementos articulam-se enquanto parte da “biopolítica”. Assim, analisando os conceitos relacionados ao biopoder/biopolítica, traça-se os pontos em que se cruzam e se apoiam o neoliberalismo, como chave para compreensão do nascimento da biopolítica, e a infância, como invenção cuja forma contemporânea constitui-se pelo entrelaçamento de práticas pedagógicas, médicas, econômicas, assistenciais, psicológicas etc. O que se notou, então, foi a atuação da infância (neoliberal) como parte do governo da criança em prol da formação de um adulto adaptado ao mercado e de um governo da vida individual e populacional</span> 2021-04-20T00:00:00+00:00 Copyright (c) http://seer.ucp.br/seer/index.php/synesis/article/view/2081 A EXISTÊNCIA NO MUNDO TÉCNICO DO SÉCULO XXI 2021-05-15T08:42:21+00:00 Itamar Soares Veiga inpesquisa@yahoo.com.br <strong>Resumo</strong>: este artigo trata sobre o mundo cotidiano em uma via de interpretação que retoma descrições fenomenológicas realizadas por Heidegger no início dos anos 20 do século passado. Neste sentido, o desenvolvimento estuda as estruturas relacionais do Cuidado ou da vida cuidadosa, apresentadas no curso de 1921/1922. Interroga-se se elas são apropriadas para uma compreensão da época atual, que é uma época dominada pela técnica. Percebe-se que o remetimento concreto destas estruturas, prévias aos existenciais de <em>Ser e tempo</em>, constituem uma possibilidade não complexa para prover recursos interpretativos que destaquem os modos de ser do cotidiano vigente no século XXI. 2021-05-12T00:00:00+00:00 Copyright (c) http://seer.ucp.br/seer/index.php/synesis/article/view/2047 FENOMENOLOGIA DA CARNE E O FENÔMENO ERÓTICO: MICHEL HENRY E JEAN-LUC MARION 2021-05-15T08:42:21+00:00 Janessa Pagnussat janessapagnussat@hotmail.com O presente artigo tem por objetivo descrever a fenomenologia da carne e a relação erótica em Michel Henry relacionando-a com o fenômeno erótico em Jean-Luc Marion. Inicialmente, faremos uma exposição da concepção de corpo fenomenológico subjetivo através da carne patética na teoria henryana. A vida revela a carne ao mundo engendrando-a de tal maneira que ela é a própria vida, a afetividade, o <em>pathos</em>. Assim, o Si carnal é a condição e possibilidade para o contato com os objetos mundanos e para a relação intersubjetiva. Essa designação corresponderá a relação erótica da teoria de Henry em que as manifestações subjetivas do <em>pathos</em> são formas de desejo e de resposta aos afetos na medida em que toco o outro e ele corresponde ao meu apelo. Nesse sentido, a concepção de erotismo se dá pelo entrecruzamento entre duas carnes fenomenológicas patéticas. Posteriormente, vincularemos essa designação com o fenômeno erótico apresentado por Jean-Luc Marion que traz a individualidade como ponto de partida para a relação com o outro. Procuraremos trazer a interpretação de Marion da teoria henryana a partir de pressupostos da redução erótica, embora ele não mencione diretamente Henry em suas concepções do erotismo e do amor. Assim, pretende-se estabelecer um estudo a partir desses dois fenomenólogos através do que há em comum em suas teorias: o fenômeno erótico entendido como relação carnal do Si. 2021-04-20T00:00:00+00:00 Copyright (c) http://seer.ucp.br/seer/index.php/synesis/article/view/2048 O ENSINO DE FILOSOFIA NO BRASIL: CONSTRUINDO UMA METODOLOGIA DE ENSINO, ROMPENDO A IDEOLOGIA HEGEMÔNICA 2021-05-15T09:03:12+00:00 Marcone Costa Cerqueira markantfilos@yahoo.com.br <p class="western"><span style="font-size: xx-small;"><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Garamond, serif;"><span style="font-size: x-small;"><span>Neste sucinto artigo nos centraremos em questões estruturantes acerca da metodologia do ensino de filosofia no Brasil, suas características política, didática e social. Para esta finalidade, será necessário primeiro demonstrarmos quais foram as principais influências ideológicas dominantes no contexto político-social no qual se desenvolveu, ou se restringiu, o ensino de filosofia no país na maior parte do século XX. Este movimento deverá ser direcionado principalmente para os momentos de maior tensão política e social, os regimes autoritários e os momentos de hegemonia de uma visão tradicional de sociedade, mas também para contemplar a discussão sobre como tal cenário foi propiciado por determinadas correntes de pensamento hegemônicas. Os desdobramentos destas primeiras colocações, nos permitirão compreender como se deu um quadro de extrema conceitualização do ensino de filosofia no país, o que leva ao risco de se cair, ainda hoje, em uma metodologia puramente cientificista, sem apego à realidade social do país. A partir deste ponto, é preciso ainda compreender como vencer o acriticismo presente em uma metodologia academicista, que se pauta mais no conteudismo que nas relações sociais diretas vivenciadas pelos alunos e os próprios docentes. Esta discussão deverá incluir, indelevelmente, o papel pedagógico de uma Base Nacional Comum Curricular da disciplina e seus fundamentos. Diante deste quadro, acreditamos ser possível ainda, propor a ampliação de temas que podem, e devem, ser abordados no ensino de filosofia, bem como a forma teórica e prática que deve fundamentar esta abordagem.</span></span></span></span></span></p><br /> 2021-04-20T00:00:00+00:00 Copyright (c) http://seer.ucp.br/seer/index.php/synesis/article/view/2057 ÉTICA, METAÉTICA E PAPÉIS SOCIAIS 2021-05-15T08:42:21+00:00 Mariana Rocha Bernardi mrocha2@ucs.br Thailize Fontoura Brandolt da Rocha thailize.brandolt@gmail.com <p>O presente artigo busca analisar algumas das principais teorias metaéticas e identificar, dentre elas, a que melhor explicaria a posição ética que, ao longo da história humana, determinou a desigualdade entre homens e mulheres, deixando os primeiros na condição de líderes, ocupantes de posições públicas dentro dos grupos sociais e no exercício de atividades políticas, enquanto cabia as segundas as tarefas privadas, de cuidado e organização doméstica, sempre vinculadas aos homens. Para tanto, pretende-se realizar uma breve contextualização dos diferentes papéis exercidos por homens e mulheres em todo o mundo, a partir de registros históricos, mas também com base em fragmentos de relatos pessoais da subscritora, para tentar determinar a posição que essa ética da desigualdade entre os sexos ocupa dentro da metaética. Este pequeno estudo será realizado por meio de revisão bibliográfica e pesquisa exploratória, tendo em vista a escassa existência de trabalhos sobre o tema.</p> 2021-04-20T00:00:00+00:00 Copyright (c) http://seer.ucp.br/seer/index.php/synesis/article/view/2050 CÍRCULO DE VIENA E TEORIAS DA VERDADE: POSIÇÕES E OPOSIÇÕES FILOSÓFICAS 2021-05-15T08:42:21+00:00 Pedro Henrique Nogueira Pizzutti pedropizzutti@gmail.com Gelson Liston gelson@uel.br Neste artigo, analisamos o desenvolvimento da discussão sobre teorias da verdade no movimento do Empirismo Lógico, tendo como foco o debate em torno das teorias correspondentista e coerentista da verdade no Círculo de Viena. Com este objetivo, destacamos as posições de Moritz Schlick, Otto Neurath e Rudolf Carnap. A posição de Schlick é a de defensor da teoria correspondentista e crítico da coerentista, enquanto a posição de Neurath é a de defensor da teoria coerentista e crítico da correspondentista. Já Carnap, segundo a história oficial de Alfred J. Ayer e J. Alberto Coffa, é a de que o autor começa correspondentista e termina coerentista. Contrários a esta interpretação, reconstruímos o debate histórico dos autores do Círculo de Viena destacando como Carnap nunca considerou as duas propostas como excludentes e que, diante do desenvolvimento da discussão, tornou explícita sua posição. Esta posição, de um lado, coalizava aspectos das posições de Neurath e Schlick, e, de outro, contrapunha-se aos dois em pontos cruciais. 2021-04-20T00:00:00+00:00 Copyright (c) http://seer.ucp.br/seer/index.php/synesis/article/view/2077 “A EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ÉTICA” DE MICHEL RENAUD: UMA RECENSÃO CRITICA 2021-05-15T08:42:21+00:00 Sra. Neuza Martins neuzamfmartins@gmail.com Doutor Pedro Miguel Alves Ribeiro Correia pcorreia@iscsp.ulisboa.pt Sra. Sandra Patrícia Marques Pereira sandra-pereira7088@hotmail.com <p>Em <em>A evolução histórica da Ética</em> (2016) In NEVES (ed), <em>Ética, dos fundamentos às práticas</em>, o autor Michel Renaud traça o progresso histórico da Ética, possibilitando a compreensão da complexidade desta temática e a sua importância na vida pessoal e na vida em sociedade.</p> <p>O estudo sobre a ética é diverso e extenso, uma vez que está relacionada com variadas áreas encontra-se em constante evolução com novos paradigmas, ideais, entre outros. Desta forma, é imperativo entender a sua evolução para depois perceber a sua aplicação, nomeadamente na Administração Pública.</p> <p>A presente recensão critica divide-se em seis secções de análise: o bem e a felicidade na filosofia grega, a ética teocêntrica, a ética racional, a corrente utilitarista, a revolução da ética nas “filosofias da suspeita” e as mutações da ética deste o século XX.</p> 2021-05-12T00:00:00+00:00 Copyright (c)